Como participar do Diplô

Já é possível:

> Sugerir pautas e textos inéditos para o jornal (basta responder esta postagem)
> Propor novos links (idem)
> Indicar possíveis colaboradores e sub-editores (idem, ou escreva para o editor)
> Comentar qualquer postagem deste blog e qualquer matéria do Le Monde Diplomatique-Brasil (ao final de cada texto, há um Fórum sobre ele).

Aguarde: breve, novas formas de participação.

Anúncios

33 Responses to “Como participar do Diplô

  1. A decisão dos editores do Le Monde Diplomatique, de criar em sua edição brasileira um espaço, o Caderno Brasil, aberto à participação de leitores e colaboradores é uma iniciativa de primeira ordem, visto que a participação dos leitores, como comentaristas e colaboradores, confirma a proposta da edição brasileira, de abrir espaços de diálogo.

  2. Oi,
    Moro na PB, estive em SP na semana passada e dei de cara com a 3ª ediçaõ do LMD. Procurei (em SP) em varias bancas e livrarias as duas anteriores e não encontrei. Além disso, gostaria de fazer assinatura. Como devo proceder para conseguir as duas coisas (edições anteriores e assinatura)?

    Resposta:
    Cara Zenia,
    No Brasil, as edições internet e papel do Le Monde Diplomatique são dois projetos em colaboração, mas autônomos entre si. Para obter informações sobre o jornal impresso, basta ligar para (11) 3256.9130, ou escrever para assinaturas@diplomatique.org.br
    Abraços
    Antonio

  3. Foi com grande alegria que descobri o Le Monde Diplomatique Brasil, através do Portal Imprensa. Não é todo dia que encontramos na mídia brasileira textos tão elegantes e afinados. Só estou triste por um motivo: a versão impressa ainda não chegou aqui em minha cidade, interior da Bahia. espero que um dia chegue. Parabéns Diplô.

    Resposta:
    Caro Juliano:
    Obrigado pelo estímulo. Para saber mais sobre a edição impressa, o melhor é falar diretamente com o Instituto Pólis, responsável por ela: (11) 3256.9130 ou assinaturas@diplomatique.org.br

  4. Parabéns pela iniciativa, inicialmente! Sugiro a confecção de material a respeito das leis de incentivo à cultura – federal, estaduais e as poucas municipais – e sua aplicabilidade e seus resultados práticos. Consta que o critério para aprovação de projetos apresentados pela classe artístico-cultural é técnico, o que é muito bom em termos de valorização do potencial humano em um campo tão nobre quanto este. Depois, tem a questão da engenheira da legislação, que permitiria dedução de impostos por um lado e movimentação da economia por outro, sem contar a chamada contrapartida social que o beneficiado com recursos tem que apresentar à sociedade.
    Grato – e parabéns, mais uma vez!

  5. Como jornalista proponho uma série de reportagens sobre as comunidades indígenas localizadas no noroeste do Amazonas, na região denominada Cabeça do Cachorro. Estive no início de 2006 na região para produzir uma série de reportagens sobre os Pelotões de Fronteira e comunidades indígenas. Vários são os temas ainda para serem explorados. Creio que vale a pena explorar jornalisticamente a região.

    Abraços,

    Eduardo Gomes – (92) 99637723

  6. Já fui assinante do Diplo, e venho acompando seu percurso com muita alegria. Parabens o sucesso virá. Abraços Valmy

  7. O diplo tem que entrar na classe média com força,mostrando que há digninade em cima de tres coisas a boiética, a estética e a biotecnologia. Abraços Valmy

  8. Gostaria saber como faço para assinar o seu jornal. Abraços.
    Resposta: Para assinar a versão impressa, ligue para (11) 3256.9130.

  9. Eu gosto muito de ler assuntos relacionados à política e relações internacionais e quero deixar registrado meus cumprimentos pela iniciativa de interagir com os leitores virtuais e ouvir suas opiniões a respeito dos assuntos relevantes apresentados pelo Diplomatique.

    Afinal de contas, voces são formadores de opinião e possuem argumentos baseados na visão holística dos acontecimentos políticos e sociais.

    Parabéns!

    Mário Brito
    Manaus-AM

  10. Prezados,
    Trabalho na Riofilme, distribuidora de filmes nacionais.Em março de 2008 vamos lançar no Rio e em São Paulo o documentário “O Longo Amanhecer-cinebiografia de Celso furtado”.Nesta ocasião gostaríamos de propor um artigo sobre o filme e seu tema central. Será possível?
    abçs.
    Resposta: Claro, Fátima. Ficamos em contato e temos o maior interesse em resenhar o filme. Abraços.

  11. quero receber mais informacao…

  12. Sugestão de matéria

    Eu sou estudante universitário e estudo em uma grande universidade privada de São Paulo.
    Sinto uma banalização do ensino superior em detrimento do ensino técnico.
    Se possível, gostaria de uma matéria a respeito desta situação.

    Sds.
    Luís

  13. Parabéns pela iniciativa! É uma felicidade muito grande encontrar esta publicação também em nosso país.
    Escrevo para sugerir que se reproduza o artigo de Darío Pignotti, publicado na edição argentina do Dipló, em que comenta a posição do governo brasileiro frente as eleições argentinas [http://www.eldiplo.org/resumen.php3?numero=101&resumen=101/R_03_03]. Tenho certeza de que seria do maior interesse também para os leitores brasileiros.
    Com um abraço,
    Hélio

  14. Parabéns por esta bela iniciativa. Um exemplo de jornalismo democrático, o remédio contra a ditadura midiática. Possa ser que assim, através do exemplo, alguns periódicos passem a socializar suas edições através do jornalismo colaborativo.

    Abraços

  15. “Sugerir pautas e textos inéditos para o jornal” também significa que podemos mandar textos para publicação (obviamente, após aprovação)?
    Parabéns, Diplô! Revista magnífica!

  16. O Caderno Brasil poderia ser ainda mais interessante se fosse editado tipo um jornal Wiki (What I Know Is…). O leitor poderia sugerir textos cuja publicação ou não passaria pelo crivo do(s) moderador(es). Aliás, para isto bastaria que o Diplô estimulasse o leitor a submter textos para apreciação por parte da moderação, sem que houvesse restrições à especificadas condições tais como tamaho do texto. Ou seja, estimular a expressão do pensamento em textos breves, abordando temas brasileiros atuais e de interesse geral, sem rebuscamento literário ou comprometimento ideológico-partidário. Em outras palavras, o texto deve expressar tão somente a opinião do leitor sobre um tema brasileiro indeterminado de interesse geral. Porque não tentar um modelo como este?

    Resposta:
    Prezado Dydimo:
    Permitir maior interatividade é nosso maior objetivo. No entanto, também para isso é preciso um trabalho editorial complexo, que ofereça sempre ao leitor material de qualidade. No momento, nossa equipe é muito insuficiente para tanto. Pensamos em lançar algo assim já em 2008. Sinta-se à vontade para dar sugestões a respeito.
    Forte abraço
    Antonio Martins, editor

  17. Primeiramente, estou muitíssimo feliz pela chegada do Diplô do Brasil que tanto nosso país carece de criticidade para chegarmos a uma metafísica nos Direitos Humanos – é muita desigualdade em nosso país-; é claro que em muitos – è muito importante para nós o Diplô ter a grandiosa diversidade de conteúdos global, fazendo-nos a cada leitura/estudo compreendermos todos as fenomenologias de nosso Mundo.

    Sou acadêmico de Direito pela Unesc de Santa Catarina, e, para nossa compreeensão perante toda a sociedade que tanto clama por ajuda, damos, nós, meros mortais, todas as boas vindas à todos vocês do Diplô, ajudando-nos num melhor entendimento e insitando a pensarmos e agirmos para o bem de toda a Humanidade.

    Aguinaldo

  18. Gostaria de sugerir matéria a respeito do movimento abolicionista brasileiro, especialmente a Sociedade Caifás, que pregava a ação direta pela abolição.
    E também recordar aqueles que sacrificaram sua vida à causa abolicionista, em especial Joaquim Firmino de Araujo Cunha, delegado de polícia em Penha do Rio do Peixe, hoje Itapira, assassinado por escravocratas em 11/02/1888, por negar-se a prender escravos fugitivos.
    A morte de Joaquim Firmino provocou tamanho impacto à época, que alguns historiadores atribuem à sua morte aceleração do processo de extinção da escravidão em 13/05/1888.

  19. Salve,
    Queria dar os parabéns pra vocês da revista le monde diplomatique brasil, é demais, muito boa, até agora consegui todas as edições, e gostei muito do conteúdo,principalmente do artigo do escritor Ferréz(edição nº1), eu faço parte de um grupo de rap aqui em Araraquara, interior de Sp, e deixo a sugestão de vocês publicarem um artigo sobre o hip-hop no brasil, ou algo relacionado ao assunto, claro se for possível.
    Até mais!!!!!!!!

  20. Eu quero trabalhar no Le Monde Diplomatique!!!…rs

  21. Desejaria saber como anda a distribuição das revistas impressas para o Nordeste. Desde quando saiu a edição impressa? Todas as edições encontram-se, na íntegra, neste site? Comprei a de outubro no aeroporto de Fortaleza, e, desde então, não mais encontro revistas por fortaleza, inclusive na loja do aeroporto.
    Muito obrigado,
    parabéns pelo vigor editorial,
    aguardo uma resposta.
    Resposta: Prezado Mário,
    Há um núcleo comum entre as edições eletrônica e impressa do Le Monde Diplomatique no Brasil: é o material francês traduzido. Mas além disso, a internet traz o Caderno Brasil (na área central do site), totalmente produzido por colaboradores brasileiros. Já no jornal de papel há também ótimos artigos redigidos aqui — inclusive destacados nas manchetes.
    A venda em bancas sofre os problemas da distribuição oligopolizada que temos no Brasil. Uma boa alternativa é fazer assinaturas. Para tanto, envie mensagem a assinaturas@diplomatique.org.br
    Abraços
    Antonio Martins, editor

  22. Sugestão, um poeta maravilhoso, Felipe Modesto
    http://recantodasletras.uol.com.br/autor_textos.php?id=26058
    18 textos, mais de 600 leituras!
    Ele merece um espaço!

  23. muito bom o jornal Diplo, eu me sinto imensamente feliz de receber este maravilhoso jornal, gostaria de postar alguns comentários sobre algumas matérias, como exemplo cito o novo que irá despojar os velhos, o convívio, com a moçada de todas as idades, que lutará para que a verdade política e financeira seja conhecida pelas massas populares, assim feito, surgirá uma nova era, de igualdade e de fraternidade, a maravilha da internet que deverá ser combatida pelos grandes políticos e os temíveis e famigerados grupos financeiros internacionais globais.

  24. O debate sobre a Transposição do S. Francisco está pegando fogo graças à greve de fome de D. Cappio, mas a grande mídia está fazendo vista grossa (Mídia Esconde Greve de Fome – Observatorio da Imprensa 04/12/2007 http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=462IMQ007). Acho que esse era uma matéria que devia ser incluíde urgentemente na pauta do Diplô.
    Abraços,
    Bruno

  25. Enfim uma publicação de qualidade!!! Parabéns, tanto pelo boletim online quanto pelo material impresso.

  26. É um prazer trabalhar com o Le Monde. Obrigada.

  27. Olá. Em primeiro lugar gostaria de parabenizar pela qualidade do material que vocês tem publicado, o Brasil realmente estava carente nessa área. Gostaria de sugerir uma matéria sobre o panôrama atual do Movimento Estudantil brasileiro, pois muito se fala de seus tempos de glória mas não debatemos sobre o que acontece nele hoje. O artigo poderia dar um panorama do que acontece hoje e abordar os principais problemas enfrenados e as perspectivas para o futuro. Muito obrigado. Fernando.

  28. Gostaria que a revista enfocasse as políticas externas de atores relevantes, entre eles o Brasil, com relação a África Subsaariana. Esta região é a última fronteira para o capitalismo da Terceira Revolução Industrial, dessa forma podemos nos informar melhor sobre a região de forma a podermos criar uma mobilização em defesa dessa área já muito explorada.

  29. Gostaria de sugerir que o jornal fizesse reportagens sobre a situação de atendimento dos portadores de sofrimento mental no Estado de Minas Gerais, depois do fechamento do serviço aberto no Hospital Raul Soares em Belo Horizonte. Este hospital tornou-se um seviço fechado, onde os pacientes são internados. Essa situação precisa ser averiguada.

  30. NOS DOMINGOS os sinos substituem os apitos das fábricas. Eles dobram para embrulhar o crente. O dia também é de féria.
    O desemprego no Brasil é um problema criminal. É conseqüência de desvio de astronômica cifra. Muitos acreditam que pela fé tudo se resolve. Os sinos reacendem as esperanças. Fazem supor que o crime e a mazela social, o infortúnio, a corrupção e a insolvência possam ser arrefecidos por cânticos, louvores e choramingas. O vale é de lágrimas, mas de nada tem valido. Credos e sacrifícios buscam a “nós o vosso reino”, mas ele não sai do lugar. Dizem que a fé remove montanhas. Melhor um trator, então. Ela deveria tentar reaver, em vez de querer remover. O cume atinge 30 bi, nas Caymann.
    Outros são curados por doenças terminais e agradecem com pagamentos de promessas e dízimos. Dali há dias, morrem de outra doença, ou até atropelados. O falecimento não é por falta de fé; mas ela interessa aos padres, às igrejas, aos pastores, aos colégios, banqueiros, contribuintes de campanhas, aos vigaristas, aos aspirantes e governantes.
    A ovelhinha, periodicante tosqueada por toda essa gente, supõe que receberá seus créditos no outro mundo. Lêdo engano: no universo abstrato no qual ingressará, pelo que se saiba, não há comércio; portanto, não há contabilidade!
    Antes de crer, mister conhecer; em vez de esperar, pró-dente movimentar. Não semeie para a vida eterna. Nela não há futuro: ela é presente, asseguro.
    Aquele abraço.
    allmirante.blogspot.com

  31. Gostaria de uma matéria sobre o aniversário de um ano da turma especial de Direito para agricultores beneficiários da Reforma Agrária estendido a agricultores familiares, que a UFG ofereceu em parceria com o PRONERA/MDA.
    Posso ajudar!
    Nile William
    CAXIM/Direito – UFG

  32. Sobbre o Diplo:Alca o jogo duro do império
    ALCANÃO
    ALçar,Alcanão,ALcacér(mansão) no favelão alcachinado(pedindo clêmencia).Alçada do povo latino-americano,al
    cafar(lombo de montaria) pra tio Sam.Alcalino,cristalino
    alcalóide mortífero,alcandor(cume) ai que dor,alcatéia lo
    bos em Alcatraz.Alçapão e alcatrão neles,alcachofra pa
    ra nós.ALCANÃO pelo cano o tubarão.

  33. Estive em conversa telefônica com o Sr. Diego e fui agraciado
    pelo ilustre e gentil atendente com o premio de duas edições gratuitas(Nº 8 e 9) do Le monde Diplomatique – Brasil. Fquei feliz com o presente e com o trastamento que me foi dispensado. tenho intenções de me tornar assinante do Le Monde Diplomatique – Brasil, espero apenas tera acesso à ficha de inscrição.
    Obrigado pela atenção , mais uma vez.
    Lauro Góes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: